Praticamente toda pessoa, seja física ou jurídica, já teve que lidar com o DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais). Este documento pode ser encontrado em diversas situações, isso por ser o instrumento de cobrança dos contribuintes com relação às atividades financeiras.

Por meio dele é que o Governo Federal arrecada tributos de todos os tipos, como IRPF (Imposto de Renda de Pessoa Física), IRPJ (Imposto de Renda de Pessoa Jurídica), PIS (Programa de Integração Social), COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), IOF (Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros), entre outros.

O DARF é utilizado de duas formas: o DARF simples, foi substituído pelo DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional) em 2011.Atualmente, as formas válidas da guia a nossa disposição são o DARF comum e o DARF web. 

Assim, para que você consiga entender exatamente que que serve, como emitir e qual a função do DARF, a Facilite preparou este conteúdo com todas as principais informações.

O que é DARF?

O DARF é um boleto federal que tem como principal vantagem ser uma guia única para pagamento de diversos impostos.

Agora, imagine que você é contador e precisa pagar IRPJ e CSLL. Invés de ter dois boletos distintos em mãos, o DARF funciona como uma guia única, podendo ser paga com mais facilidade.

DARF comum

O DARF comum costuma ser a guia tradicional, visto por toda pessoa ou empreendedor que precisou realizar pagamentos para as Receitas Federais. Ele serve para recolher impostos como o IRPJ, PIS/Pasep, Cofins, IPI e CSLL.

No entanto, ele não vale para pessoas jurídicas que optaram pelo Simples Nacional, já que ele oferece uma tributação unificada própria, o DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional).

DARF web

O DARF web é específica para três tipos de grupos, como veremos abaixo:

  • Grupo 1: Empresas com faturamento no ano de 2016 superior a R$ 78 milhões;
  • Grupo 2: Empresas com faturamento no ano de 2016 igual ou menor que R$ 78 milhões;;
  • Grupo 3 – Órgãos públicos.

 

Qual a importância do DARF?

A importância do DARF pode ser relacionada à quantidade de impostos que precisam ser deduzidos por empresas e pessoas físicas. 

Entretanto, sem ele, podemos afirmar que em algum momento um determinado imposto seria esquecido já que não ficaria incluído na guia única de pagamento.

Além disso, o recolhimento do DARF garante que o valor deduzido seja enviado aos cofres públicos federais. De lá, o Governo pode colocar em prática políticas públicas para diversas áreas, incluindo do empreendedorismo e do desenvolvimento humano.

 

Benefícios do DARF

Desde a sua implementação, o DARF traz vantagens no dia a dia para pessoas físicas e empresas. Entre alguns dos benefícios estão:

  • Maior agilidade para pagamento de impostos;
  • Menos risco de esquecer determinada dedução tributária;
  • Otimiza recursos contábeis;
  • Chega aos cofres públicos mais rapidamente;
  • Dá mais segurança;
  • Diminui possíveis tentativas de golpes envolvendo impostos;
  • Compila pagamentos em uma guia única.

 

Como emitir DARF

O primeiro passo para a emissão do DARF é ir ao site da Receita Federal e baixar pelo Sicalc. Após baixar, basta seguir o passo a passo que preparamos para você.

Todo o processo é relativamente simples, porém, toda atenção é necessária. Desta maneira, se você não conta com os benefícios e vantagens de ter um contador auxiliando os seus negócios.

 

  • Preencha os dados no Sicalc

O primeiro passo, após baixar e entrar no Sicalc, é esperar que o programa solicite que você preencha alguns dados. Por isso, é essencial que você tenha atenção e insira todas as informações de maneira correta. Caso contrário, você poderá precisar retificar o seu DARF.

Os dados solicitados são:

  • Nome e telefone do contribuinte;
  • Período de apuração do tributo;
  • Número do CPF ou do CNPJ;
  • Código de pagamento (a tabela é disponibilizada no site da Receita Federal);
  • Data de vencimento;
  • Valor principal a ser pago;
  • Multa, se houver;
  • Juros, se houver.

Com isso pronto, não faça nada mais e siga o passo seguinte.

 

  • Revise os dados no Sicalc

 

Além disso, é importante revisar e bater todos os dados preenchidos antes de confirmar e receber o DARF para pagamento dos impostos.

Veja com calma e esteja assegurado que nenhum dos dados foram preenchidos com valores ou informações incorretas.

 

  • Confirme a emissão da guia

 

Por fim, basta confirmar os dados e receber a guia com o seu respectivo código de barras. Com isso, você pode pagar pelo DARF no internet banking do seu banco ou em qualquer outra agência.

 

  • Como retificar o imposto

 

Caso você tenha errado algum desses passos, é preciso retornar ao site da Receita Federal e baixar o formulário Redarf e preenchê-lo. Na sequência é preciso que imprima duas cópias, sendo uma para você e outra para protocolar em uma agência da Receita Federal.

Porém, caso você tenha um certificado digital, como o e-cpf, você pode realizar o protocolo pela internet no portal do usuário da Receita Federal.

 

Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário abaixo, e compartilhe sua opinião conosco.

Comentários